O PRAZER ESTÁ DOENTE! (MASOQUISMO).

Faço parte de um grupo de cinco  amigos dos tempos de universidade. Desde que nos formamos, há quatro anos, nos reunimos todo último sábado de cada mês. Isso é sagrado! Na verdade só deixamos de nos ver, durante esse período, uma única vez . Chovia torrencialmente! Caia muito granizo naquela noite. Raios iluminavam o céu com faíscas violentas acompanhadas de intensos trovões dando a impressão que o mundo ia acabar. Naquele sábado resolvemos fazer encontro por SKYPE, só pra não perder a vez. Claro que foi totalmente diferente. Sem vinho e nem cerveja. De certa forma deu pra matar a saudade! Combinamos que cada um dos integrantes escreveria – conquistas, sonhos e frustrações recentes – e levaria ao próximo encontro. Essa seria uma forma de dar continuidade aos papos  que rolavam entre a gente. Na verdade parecia uma terapia em grupo. Sem terapeuta! Queríamos estar afinados emocionalmente uns com os outros. Aliás, temas emocionais sempre me interessaram. A internet ajuda muito nesse aspecto! Imagina uma simples nutricionista, sem tempo pra nada, querer conhecer um pouco de Freud se não tivesse essa ajuda. Depois daquela noite esperei ansiosamente o próximo encontro. Ao contrário  do mês anterior fez um sábado maravilhoso. Noite estrelada e uma lua cheia cheia nos convidando a sonhar e ir em algum barzinho ao ar livre. Foi o que fizemos. Nossa! Lugar lindo. Todos muito animados. Começou a rolar cerveja muito gelada. Delícia! Batidas de frutas variadas. Muita pizza e brincadeiras. Claro que esse exagero não fez bem! Pedro, o menos resistente pra bebidas, começou a falar sobre suas qualidades na cama! Abrindo sua intimidade, revelando desejos estranhos e preferências masoquistas que lhe davam incrível prazer. Começou a contar sobre um sonho que tinha tido com a Clara, uma de nossas amigas da turma. Ele sempre teve uma queda por ela. Ela nunca esteve nem aí por ele. Debochado como só ele! Foi relatando ter feito sexo com ela de uma forma animal. No sonho, ela também tinha tido um imenso prazer. Correspondeu a todos os seus desejos mais  íntimos e perversos.  Nesse instante, ele revelou ao grupo, sem nenhuma máscara, que adorava apanhar e ser chicoteado, no momento da transa. Sangrar aumentava o seu prazer! Clara, no sonho, prendeu os braços dele com algemas e, muito feliz, presenteou-o com mais de vinte chibatadas. Ria muito e sussurrava: “- Quer mais uma meu amor? Você vai obedecer a mamãe agora?”. Quanto mais ele apanhava, mais tesudo ficava! A turma ouvindo essas cenas. Um certo incômodo, por perceber a raiva contida de Clara, expressa em seu rosto. De repente, ela interrompeu Pedro com uma expressão firme e determinada – não admitia ser invadida daquela forma. Chamou-o de doente e desestruturado emocionalmente. Pedro, meio cínico, levantou-se e foi embora. Até a mesa ao lado presenciou a cena. Foi muito chato. Acabou a noite! Mal cheguei em casa, o telefone tocou. Estranhei pelo horário, duas e meia da manhã. Era Pedro, mais sóbrio, pedindo desculpas. Disse que não esperava uma reação dessa da Clara e nem do grupo.  Ninguém o defendeu. Poxa! Achava  tão normal  “sexo, dor e prazer!”. Aproveitei minhas últimas leituras sobre masoquismo e as indiquei a ele. Disse que ele podia até gostar e que é comum apresentar traços masoquistas, mas que são consequências da repressão na formação da pessoa. Indiquei, sobretudo, a criativa explicação de Reich sobre o masoquismo. Segundo ele, ao longo de nossa vida vamos criando uma “couraça muscular”, resultado das experiências sofridas e que tem a função de nos proteger de novos sofrimentos; mas também nos impede de sentir prazer. No masoquista, essa couraça é muito rígida e, na busca do prazer, ele precisa aumentar muito a tensão interna para rompê-la. Por isso, busca, primeiro, o sofrimento para, ao final, atingir o prazer. Pedro, do outro lado, ficou num longo silêncio. Respeitei. Finalizei dizendo que Clara era muito delicada e genuína ao expressar suas emoções e que a forma que ele usara como abordagem tinha sido muito invasora e agressiva. O inverso do que uma mulher romântica  e sensível espera de um homem apaixonado. Sentimentos saudáveis vêm de dentro para fora. Não precisam de chicotadas. NASCEM NO CORAÇÃO!

1.505 comentários em “O PRAZER ESTÁ DOENTE! (MASOQUISMO).”

  1. It’s a pity you don’t have a donate button! I’d definitely donate
    to this excellent blog! I suppose for now i’ll settle for book-marking and adding your RSS feed to my Google account.

    I look forward to fresh updates and will talk about
    this site with my Facebook group. Talk soon!

  2. This is really attention-grabbing, You are an overly skilled blogger.
    I’ve joined your feed and sit up for in the hunt for more of your fantastic post.
    Also, I have shared your site in my social networks

  3. Good day! I could have sworn I’ve been to this blog before but after going through a few of the articles I realized it’s new to me.
    Anyhow, I’m certainly happy I came across it and I’ll be bookmarking it and checking back regularly!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.