O SONHO DA MENINA TRISTE! ( PROJEÇÃO).

Sheila andava passando por maus bocados. Noites mal dormidas, sonhos recorrentes, suores noturnos. Palpitações! Sérios indícios de desequilíbrio energético. Seus dias estavam sufocados por sensações ruins. Estava muito difícil enfrentar o trabalho de pedagoga no prestigiado instituto de educação “Rui de Andrade”. Tudo começara há seis meses, quando se envolvera numa situação inusitada: Sheila sentada num dos bancos do jardim da escola em que trabalhava, distraída, corrigindo algumas redações. Ela é canhota! De repente, uma borboleta azul turquesa pousa em seu braço direito, suavemente. Sempre teve fascínio por borboletas! Meio supersticiosa. “Iria acontecer algo de bom”. O toque da borboleta  despertou surpresa e encantamento. Imediatamente, parou com a correção. Tentou ficar com o braço imobilizado, respirar suavemente, bem devagarzinho, evitando que ela voasse. Queria admirar de perto tanta beleza. Sensações misturadas afloraram, diante da proximidade daquele intenso azul-turquesa. Era de uma beleza divina! Ficou por alguns minutos nessa estase. Esse instante mágico foi inesperadamente quebrado pela aproximação do diretor da escola. Homem de traços fortes. Negro, simpático e sensual. Eloquente. Casado e pai de família. Ele tinha observado de longe toda a cena. Tentou chegar fazendo o mínimo ruído possível. “A borboleta voou! O charmoso diretor Carlos, sorrindo, lamentou a súbita fuga da borboleta”. Convidou Sheila para um café. Ali começou uma súbita paixão dela por ele. Exageradamente carente como era, confundiu atenção por sedução. Transferiu para Carlos todas as suas fantasias de menina-mulher. Pensava nele de modo obsessivo. Não dava trégua ao seu coração nem ao diretor. Criava situações incríveis para se aproximar dele. Amadurecido, com uns bons anos a mais que Sheila, no início achava graça do assédio dela. Sheila desenvolveu comportamento inadequado, doentio, em seu ambiente profissional. Todos andavam comentando, meio sigilosamente, as investidas frustradas que ela andava fazendo, a tal ponto que Carlos chamou-a para um papo adulto. Deixou claro nessa conversa que apesar de achá-la bonita, não tinha interesse nela como mulher. Era bem casado e amava a sua família. Disse que a admirava como profissional, mas que suas últimas atitudes estavam causando bochichos maldosos entre seus colegas e que isso não era legal. Sheila ficou arrasada. Envergonhada. Pediu desculpas e demissão. Foi trabalhar bem longe de seu Deus Negro! Queria esquecer aquela loucura.  O saldo emocional daquele período, ficou confuso em seu coração. Não entendia a razão de tamanha atração por ele. Afinal, nem o conhecia direito! No meio dessa ambivalência, começaram as noites mal dormidas e o “maldito sonho recorrente” que, por mais que se esforçasse, não conseguia entender. Ele se repetia quase que todas as noites. Queria entender emocionalmente o seu significado e se livrar daquela cena. O porque da insistência e repetição. Aconselhada por uma amiga, buscou ajuda numa psicoterapia que abordava sonhos e seus significados; SONHO RECORRENTE: “Menina de uns sete anos de idade, cabelo castanhos curtos e com franjinha. Resfriada, nariz escorrendo levemente até perto da boca, com expressão muito triste. No olhar, um pedido de socorro velado. Usando um vestido claro com babadinho no pescoço e peito. Tecido leve, esvoaçante.” Iniciado o processo da psicoterapia, no tempo certo, finalmente viajou dentro daquele sonho e histórias reveladoras emergiram. Retomou à consciência momentos emocionais de sua história de vida. Reviu a sua mãe, Alice, solteira que assumiu sozinha a maternidade. Deu o seu melhor à Sheila. Como é natural, não conseguiu suprir a ausência do pai, ficando assim esse buraco emocional em seu peito. Sua mãe, apenas descrevia que ele era um homem forte. Negro e muito sensível, por circunstancias da vida não pode estar presente em suas vidas. Nas sessões de terapia, Sheila encontrou dentro de si imagens, posturas e atitudes que ela construiu do pai ausente. Os sentimentos retidos nessa construção emocional, começaram a emergir paulatinamente durante o trabalho de interpretação do sonho. A criança triste ressurgiu com força total pedindo socorro. Muitas lágrimas. Muitas sensações desconhecidas até então. Foi a primeira vez que ela conseguiu falar com o pai. Conversou com ele. Falou de suas angústias e da tristeza de não tê-lo por perto. “Quanto o esperou!” Nesta cena descreveu o pai construído por ela. A imagem refletida foi muito semelhante a  imagem de Carlos, o diretor da escola. A semelhança foi tanta que num ato falho, chamou o pai de Carlos! Conseguiu sentir a confusão e a projeção dos sentimentos que viveu naquela louca paixão.  Projetou no diretor o pai idealizado e tentou conquistá-lo loucamente. Resgatar o homem de sua vida! Compreendeu sua carência e necessidade de resolução desse bloqueio interno e reformular emoções mal resolvidas. Anda até pensando em fazer uma busca pela internet e procurar o “Sr. Francisco Amorim”. Quem sabe! Conseguiu ótimos dados para isso. Noites mal dormidas e sonhos recorrentes? FIM!

.

JANELA DOS FUNDOS! (CUMPLICIDADE).

Tomando uma ducha vespertina, depois de uma manhã muito atribulada espiei pela fresta da janela para ver se a garoa havia cessado. Durante a manhã inteira tinha persistido uma chuva bem fininha e fria. Precisava dar uma passada no mercado, depois do banho. Dispensa vazia e fome não combinam! Estava com muita vontade de preparar uma sopa de legumes variados. Sem esquecer do salsão, lógico! Dá um gostinho incrível. Com a água quente, deliciosa, escorrendo sobre o corpo, numa sensação de muito aconchego, essa ideia da sopa quente deu água na boca! Decidi que iria deixar a preguiça de lado e corajosamente  enfrentaria o frio lá fora. Aproveitaria pra comprar um bom vinho também. “Me daria esse presente”! Com os sentidos envolvidos nesses pensamentos prazerosos, comecei a cantarolar a canção de sempre, no chuveiro. Tinha virado um hábito. “You are my love”! Estava me sentindo leve e feliz, apesar do cansaço da manhã.  Fechei os olhos e soltei a voz como há tempos não fazia. Fiquei um bom tempo cantando e me aquecendo naquela delícia de água. De repente me lembrei que Elisa, minha irmã, talvez viesse, naquela noite me entregar um livro que ela tinha me prometido. Abri os olhos e novamente olhei pela janela para conferir o tempo lá fora. Assim que espiei, percebi que, bem em frente a janela dos fundos de meu banheiro, havia um casal de velhinhos sentados de mãos dadas na sacada do outro apartamento. Estavam visivelmente felizes. Namorando do jeito deles. Curtiam a chuva fina e fria que ainda caia, protegidos em seu amor. Um beijinho aqui, outro ali. Dona Carmem e seu marido Douglas. Casados há longa data. Duas cabeças brancas bem juntinhas, lendo um mesmo livro sobre uma mesa meio alta. Inclinavam-se algumas vezes para enxergar melhor uma ou outra frase. De repente riam e trocavam algumas palavras e novamente se compenetravam na leitura. Sempre de mãos dadas, numa visível cumplicidade que só o tempo pode construir. Ainda sabiam como viver a  felicidade no casamento, apesar de seus oitenta e poucos anos de idade. Não sei explicar o porquê, mas aquela cena tocou meu coração no profundo. Relembrei Miguel, meu ex-marido. Poxa! Quando nos casamos esse era o meu sonho. Ficar junto dele até bem velhinha. A gente brincava que se um dos dois ficasse “gagá”, nem assim poderia haver separação. Um iria ter que cuidar com carinho do outro. Era um pacto de amor entre dois jovens sonhadores. Tanta paixão, meu Deus! Lembrei que ele dizia que gostava de todos os meus cheiros. Todos! Não suportava que eu usasse perfumes. Camuflava o meu aroma natural. A gente tinha tantas semelhanças de gostos. Magia e atração nos lençóis. Divergências também. Muitas! Não tive jogo de cintura pra segurar os conflitos. Imaturidade emocional é fogo! Me enganei. Fui insana quando conheci Fábio; rotulei de Deus alguém tão pequeno! Culpa da química explosiva! Os hormônios são traiçoeiros. Confundi com amor uma paixão barata. Enlouqueci. Meu mundo ficou de cabeça para baixo. Fui louca desvairada. Estraguei minha vida. Hoje percebo como fantasias podem nos trair. Troquei uma vida de verdade, com construção de uma longa história, pelas nuvens que voam e se perdem no horizonte. Devia estar muito carente. Só pode ter sido isso. Perdi Miguel por minha  absoluta falta de maturidade. Imaginava uma vida irreal. Só em contos de fadas. Devo ter regredido aos  meus quinze anos. Falta de chão total. Encarando a relação, constatei que o Fábio que eu imaginava, simplesmente não existia. Era uma farsa. Um carente e mal resolvido que mais parecia uma criança. Não sabia nem o que queria da vida. Bem feito pra mim. Essa realidade surgiu muito rápido. Magoei o meu amor. Até o fim Miguel sempre confirmou seu amor por mim. Se arrependimento matasse!  Aquela cena da janela despertou uma chama esquecida. Senti “inveja do casal de velhinhos!” Saí do chuveiro, me enrolei na toalha pré aquecida, com uma séria decisão. Será? Arrisquei. Fiquei rindo atoa. “MIGUEL ESTAVA COM MUITAS SAUDADES DA  NOSSA SOPA”!

O ACORDAR DO POETA! (SENTIDOS BLOQUEADOS).).

Emílio precisou ser um empresário bem sucedido. Homem inteligente, bonito e sensível não teve escolha. Teve que seguir a sina neurótica que se impôs. Quando menino rabiscava poesias e gostava muito de cinema e tudo que se relacionasse com a grande arte. Muito cedo foi para um colégio interno. Durante sete anos foi privado de sua fonte de afeto genuína. Seus pais queriam que se preparasse para ser um homem poderoso e rico. Durante o exílio, lá no colégio, não havia alternativas senão sufocar suas dores emocionais. Viveu um verdadeiro inferno! Tinha que sobreviver. Suprimiu sua sensibilidade saudável. Numa entrega maluca, foi construindo fantasias impossíveis. Pervertidas! Muitas vezes os personagens interpretavam cenas proibitivas que concomitantemente despertavam muita culpa nele. Paralelamente seu rendimento escolar era digno de louvor. O melhor aluno do colégio. Conhecido como o “nota dez”! Muitos alunos só se referiam a ele por esse apelido. Seu intelecto, assim como seu ego, ficou inflado por tantos destaques e elogios que recebia. Externamente estava tudo ótimo. O tempo foi passando, ele crescendo bonito e bem conceituado no meio estudantil e familiar. Seus pais, orgulhosos da inteligência do filho, preocupavam-se com o seu futuro profissional, até porque tinham expectativas de serem beneficiados. Esperavam que Emílio fosse grato e retribuísse no futuro o que eles tinham feito por ele. “Muitos pais pensam assim”! Pouco o visitavam. Dessa forma não estimularia nele a vontade de voltar pra casa. Na verdade Emílio só visitava a família durante as férias de fim de ano. Ficava longas horas com seu gato Nino e só a ele confiava seus verdadeiros sentimentos. A sensibilidade de sua mãe podia ser comparada a uma casca de crocodilo. “Talvez ela não tenha tido chances de se auto-desenvolver”! Em nenhum momento durante todo esse longo processo Anita, sua mãe, tivera o cuidado de saber se o filho estava feliz. Nunca quis entender o seu olhar triste e distante. Nem o seu silencio. Nem mesmo tocava na palavra amor! Suas conversa eram endereçadas ao racional. Exclusivamente. Mas o menino Emílio também fez das suas. Buscou forças internas e se rebelou. Decidiu com com quinze anos não iria continuar preso.  Transgrediu regras inadmissíveis no colégio. Foi expulso! Os pais ficaram atônitos com a súbita rebeldia, mas foram obrigados a aceitar a situação. Feliz e culpado! Essa ambivalência, somada ao vazio emocional que sofreu pela longa separação da família, fez de Emílio um homem mais cerebral. Prático. Seus sentidos ficaram bloqueados. Confusos. Grande dificuldade de expressão. Voltado mais para o externo. Desta forma chegou aos quarenta anos. Um menino no corpo de um homem. Rezou toda a cartilha da mãe. Só que ela não esperava pelos espinhos que semeou! Ainda bem que esse menino está conseguindo se recuperar. Adoeceu por muito tempo por carência de amor. Não morreu! Desenvolveu raivas inconscientes vindas em doses homeopáticas ou em súbitos surtos. Atitudes e expressões emocionais imprevisíveis. Desajeitado em lidar com afetos e relações. Expressa essa ambivalência nas mais diversas formas. Muito formal com os seus pais. Educado e frio. Como se fossem estranhos. Consegue falar de emoção. Sentir é a sua grande dificuldade! Neste momento de vida, fazendo terapia, busca se entender melhor. Sabe que dinheiro e sucesso não são sinônimos de felicidade. Quer entender a poesia de sua vida. JÁ TEM A CORAGEM DE SER FELIZ!

O PUXA SACO! ( AUTO-IMAGEM DOENTE).

Pessoas razoavelmente equilibradas tem respostas saudáveis diante de situações da vida. Suas reações emocionais são proporcionais aos fatos que se apresentem. Seu equilíbrio pode ser percebido a olho nu. Os desequilíbrios na formação do caráter são formados, na maioria das vezes, através de uma educação muito rígida, onde a expressão emocional sofre sérios bloqueios. Esses bloqueios podem se manifestar de várias formas. A pessoa constrói inconscientemente uma máscara de proteção para não entrar na dor e passa a atuar na vida através dela. Deixa de ser autêntica  e como compensação desenvolve atitudes emocionais que não condizem com o seu verdadeiro eu.  “A SOCIEDADE É MASCARADA”! São inúmeras as reações emocionais que podem ser desenvolvidas a partir dos bloqueios construídos e vão refletir direto nas atitudes e modo de ser de uma pessoa. Pode ir do mais sútil sintoma ao mais evidente comportamento doentio. Depende de como aquele psiquismo lidou com seus traumas e stresses e o tamanho do buraco que causou. “Podem surgir vários tipos de desequilíbrios bio-psíquicos”! A intimidade proporciona um afrouxamento das máscaras. “Nem por isso é mais fácil de se lidar com elas; muitas vezes necessita de ajuda profissional”! Os sentimentos enjaulados no peito tendem a ser expressos por sinais neuróticos e repetitivos ou sintomas orgânicos. Podem emergir com maior intensidade ou em doses homeopáticas. No ambiente social normalmente as máscaras de defesas são mais reforçadas e mais difíceis de serem rompidas. O social tende a realimentar essas defesas. Há uma compensação inconsciente entre os “mascarados” em suas expressões emocionais reativas. Um precisa do outro para se sentir importante e sobreviver, sem alterar seu caráter. A neurose é um buraco negro! Entre outros, o “puxa saco” é um bom modelo do que estamos descrevendo. Ele é fruto do desequilíbrio emocional. Esse quadro se revela em seu comportamento inadequado e pegajoso. “Extremamente carente”! Existem vários níveis de puxa sacos espalhados pelo mundo. Do sutil ao exagerado! Sob sua atitude está uma carência enorme e necessidade de auto-afirmação. Tem uma péssima auto-imagem. Precisa bajular alguém que julgue importante e poderoso. Essa proximidade e aceitação de quem ele elege, o fortalece e faz com que se sinta importante também. Projeta-se no seu ídolo e se sente parte dele. Dependendo do nível de fragilidade, essa atitude de bajulação alcança enormes proporções. Pode se tornar ridícula! O encaixe fica perfeito quando o “poderoso” eleito tem uma péssima auto-estima, tanto quanto ele. “Ambos preenchem doentiamente suas lacunas emocionais. Na realidade um precisa do outro para auto-afirmar suas identidades fragilizadas. O bloqueio da expressão emocional saudável é o responsável por tantas sequelas no comportamento humano, alterando o direito legítimo de ser pleno e feliz. Quanto maior a ampliação da consciência, maior a possibilidade de reformas internas. O auto-resgate é possível. QUE TAL EXPERIMENTAR?

ABORTO! (ENCONTRO NO PROFUNDO).

Vera acordou péssima naquele domingo de páscoa. Também, depois da bebedeira da noite anterior! Fazia um bom tempo  que ela não saía de casa. Andava mal por tantas dores sofridas. Resolveu aceitar o convite de Nina,  amiga muito querida que não suportava ver o quanto Vera estava sofrendo nos últimos tempos. Nina não podia nem ouvir falar o nome de Eduardo, o causador desses sofrimentos. Ela bem que  avisou a amiga, que ele não era “flor que se cheirasse”. Acostumado a ser mimado pela mãe, super protegido, cresceu infantilizado e egoísta. Queria ser cuidado por todas as mulheres. Tinha lá algumas qualidades que agradavam às suas eventuais vítimas. Vera o conhecia desde o início da faculdade. Encantou-se assim que o viu na cantina, entre os intervalos de aulas. Era um galanteador nato. Conseguia o que queria com o seu jeito de menino inseguro e brincalhão embora tivesse vinte e cinco anos de idade. Sabia rir dele mesmo! Essa foi a forma que encontrou para ocupar o seu espaço social e ser bem aceito. Vera, também insegura, vítima de um pai ausente e de uma mãe egoísta, não teve bons modelos para construção de sua estrutura psico-emocional. Ficou carente e fragilizada. Naquele encontro da cantina, quando Eduardo se aproximou e sussurrou:- ” Quero esses olhos pra mim!”, Vera derreteu-se. Literalmente atendeu ao pedido dele. Ali começou sua paixão! Com o passar do tempo todos percebiam que Vera era mais apaixonada por Eduardo que ele por ela. Ela era mais velha que ele seis anos. Ele estava com trinta e um anos quando a conheceu. Entre idas e vindas ficou com ele por longos sete anos. Tinham feito um pacto de não se casarem oficialmente. “Casar pra que?” Foram morar juntos com a condição de não terem filhos. Ele não queria! Não se sentia preparado. Também colocava a situação financeira deles como uma boa desculpa pra reforçar essa decisão! Professores como eles ganham tão pouco nesse mundo consumista! Eduardo vivia dizendo isso. Na verdade também não queria abrir mão de seus caprichos e nem ter maiores responsabilidades na vida. Vera engolia essa decisão por absoluta dificuldade que sentia em deixá-lo. Ela se conformava porque se sentia dependente emocional dele. Mas o destino trama situações inesperadas. Numa noite quente, depois de duas garrafas de um bom vinho tinto , Eduardo e Vera se entregaram ao sexo como há muito não acontecia. Abriram uma terceira garrafa e o chão sumiu! Tudo aconteceu no tapete da sala, perto da lareira. Ela aquecia ainda mais o desejo! Ali adormeceram jogados naquele tapete felpudo. Fazia um friozinho típico de inverno. Vera acordou antes que Eduardo. Correu para o banheiro. Evitou pensar que não tinham usado camisinha. “Estava no seu período fértil”. Não contaria a Eduardo! Não sabe porque tomou essa decisão. Lá no fundo, bem no fundo do coração, ela queria muito ser mãe! Estava perto dos quarenta anos. O tempo não perdoa. Passa rápido demais. Assim ficou com esse segredo até o período de sua próxima menstruação. Fez teste de gravidez. Não deu outra. O antigo sonho se confirmou. Vera estava grávida! Ficou extremamente ambivalente. Seu coração pulava de alegria e seu racional assinalava perigo na relação com Eduardo. Sabia que, imaturo e irresponsável como ele era, tudo poderia acontecer. Continuava brincalhão como antes, mas de uns tempos pra cá deu pra ser explosivo. Violento mesmo. Vera ficou num conflito danado. Sozinha, entrava em contato com o seu lado mãe e até chorava de alegria. Nos momentos com Eduardo sentia uma angústia incrível. Até quando conseguiria esconder dele a gravidez ? De uma coisa ela já tinha certeza:- QUERIA AQUELE FILHO! Já imaginava a reação de Eduardo. Esperava pelo pior! Passaram-se dois meses e meio. Vera sabia que era uma corrida contra o tempo. Não daria mais pra prorrogar a notícia a Eduardo. Planejou o fim de semana perfeito tentando um clima de prazer. Como ele gostava: – lasanha verde, pudim de leite com calda de caramelo e muito vinho. Talvez  uma boa transa depois do almoço! Quem sabe se, inundado de prazer, sua reação fosse acolhedora. Vera não tinha expectativa dele pular de felicidade com a notícia, já que era difícil pra ele. Acolhimento já seria uma resposta feliz diante das circunstâncias. Desgraçadamente não foi isso o que aconteceu! Ao saber da notícia, vociferou expressões violentas por ter sido enganado até então. Ofensas pesadas. Exigia que ela se livrasse “daquela situação”, imediatamente ou a deixaria para sempre. Demonstrou ali o ínfimo ser humano e companheiro que era. Nenhuma sensibilidade e empatia. Não abriu espaço para diálogo com a companheira com quem dividia a vida há tempos. Vera gritou:- “Aborto não!” Disse em alto e bom tom que pra ela bastava. Não queria mais um homem insensível, grosseiro e sem respeito ao seu lado. Assumiria o presente que Deus lhe deu como uma recompensa de todo o amor que sentiu por ele durante tanto tempo. Trancou-se no banheiro e chorou. Chorou muito! Aquelas lágrimas lavaram a sua alma. Conversou bem baixinho com o seu bebê. Falou da felicidade que estava sentindo com a sua vinda. Prometeu amor eterno. Acariciou o seu próprio ventre! Saiu de lá refeita. Na sala o “infeliz,” roncava no sofá como se nada tivesse acontecido. Vera começou a agir com uma doida feliz. Colocou sua música preferida bem alta e começou a dançar freneticamente. Eduardo acordou meio zonzo no meio daquele som. Levantou a cabeça e falou mais alto que o som da música :-Nossa, tive um pesadelo horrível. Sonhei que você estava grávida! Vera não pensou duas vezes e expulsou aquele animal de casa. Isso aconteceu há dois anos. Vera ainda está se recuperando do profundo stress emocional que viveu. Está se reconstruindo. A única certeza que  tem é que renasce a cada dia. Assim que chega em casa, seu coração transborda de alegria. Dois bracinhos fofos confirmam isso. “O cheirinho de seu cangote é só meu. Nunca pensei que amor doesse. Como é bom! ESTOU ABORTANDO O EDUARDO. UF!”.