LOUCURA OCULTA! (VIOLÊNCIA DOMÉSTICA).

Caminhos me levaram a você. Que caminhos aqueles? Porque? Seria destino? Droga! Podia ter pulado aquele dia em minha vida. Se eu tivesse uma bola de cristal! Jonas entrou tão sorrateiramente em meu coração. Quase nem percebi. Quando me dei conta já estava totalmente envolvida e encantada. Maior erro que eu podia cometer! Esqueci de mim. Foi tão intenso. Ficou mania. Doença mesmo. Perdi a identidade. “Virei Jonas”. Fui sua ridícula sombra! Auto crueldade me submeter a tanta agressão psicológica daquele homem. Over dose! Custou reconhecer o “ser humano menor” que estava ali e ao  tamanho em que eu estava me reduzindo. Cega por paixão! Paixão por um doente! Aquele ser arrogante não sabia o que era respeito a uma mulher. Abruptamente se transformava num animal feroz e insensível, alternando com atitudes de extremo agrado em momentos diferentes. Desproporcional! Desequilibrado mesmo! Esse traço de caráter perverso emergia principalmente quando ele se  defrontava com minha alegria. Acho que mobilizava seus sentimentos bloqueados. Muitas vezes, causticamente, falava que eu parecia hiena. Sorria do nada. Sem motivo! No começo disso tudo, nem ligava. Até achava engraçado. Quando as agressões foram ficando recorrentes e mais intensas, algo dentro de mim sinalizou que não dava mais. Eu teria que tomar uma atitude! Essas cenas insanas sempre ocorriam quando estávamos a sós. “Loucura inteligente”. Encobria seu desequilíbrio dos olhares externos, no social, disfarçando-se sob uma camada de bom humor e muitas brincadeiras. Era admirado pelo seu jeito educado, gentil e inteligente. Especialmente pela sua grana! “Socialmente, a imagem do bom menino”. Dentro de casa, a besta explodia! Bastava contrariar seus caprichos ou vontades, lá vinha o “Jonas louco”. Desrespeito total. Lado escuro, mesclando mel e fel! Alternava essa característica de seu caráter com atitudes doces, românticas, conturbando o meu mental. Ficava confusa. Enlouquecida, depois das crises. Sem saber o que fazer. Duvidava até de mim! Muitas vezes imaginava que talvez Jonas estivesse apenas estressado, quando arrependido  cabisbaixo pedia desculpas. Ficava feliz. Quem sabe? Mas, qual nada! Daí um tempinho ele se repetia em atitudes severamente neuróticas. Doentias. Nova decepção! Nova violência. Tentei ponderar e desculpar por quatro longos anos. Ele nunca quis fazer um tratamento psicológico. Sentia-se  perfeitamente equilibrado. Perfeito! Nesses tempos, muitas vezes, tive enorme vontade de sumir. Mandar tudo pro inferno. Virou uma gangorra a minha relação com Jonas. Baixos e altos. Altos e baixos! Muito mais baixos que altos. Minha energia sendo sugada de forma vampiresca. Com o passar do tempo fui mudando internamente. Cansando de perdoar. “O bom menino no social foi perdendo sua força dentro de casa”. Suas neuroses não engatavam mais em minhas neuroses. O nó lentamente se desfazendo. Ambivalência entre amor e raiva em que eu estava estagnada foi evoluindo num sentimento único, forte, anunciando sinais vitais de minha identidade. O meu emocional buscando  focar num caminho livre e claro. Amor e raiva se transformando em “Amor Próprio”. Lentamente e silenciosamente foi crescendo essa nova consciência, disposta a proteger minha integridade de mulher. Num belo sábado de sol aconteceu o ápice dessa relação emocional caótica que eu mantinha com Jonas. Animada, preparei uma reunião em casa, com amigos em comum. Por um motivo banal, o imbecil do Jonas teve a audácia de  armar um novo e intenso barraco em cima de mim. Coitado. Bem naquele dia! Sem perceber minha transformação interna, a fera atacou novamente. Se deu mal! Desta vez me pegou mais fortalecida. Cego, nem percebeu que eu estava diferente e muito disposta a buscar alegria de viver. Com ou sem ele. Como sempre, mostrou estar disposto a destruir o meu jeito de ser.  Covardemente extrapolou todos os limites possíveis de falta de respeito e consideração. Destruiu o meu emocional violentamente, como nunca antes. Imperdoável! Senti minhas energias enfraquecerem naquele momento. Tremia de raiva. Muito desequilíbrio daquele doente. Motivo banal! Estava segurando uma bandeja com copos cheios de cervejas, cantarolando com a música de fundo. Feliz. Distraída. Num repente, tropecei no pé de uma cadeira. Parece coisa do diabo. Jonas estava bem ali. Agachado. Amarrando o tênis. Sua bermuda ficou molhada pela bebida. Enfurecido levantou a cabeça abruptamente. Ficou em pé, soltando fogo pelo olhar. Transformou-se no demente que eu já conhecia. Rosto vermelho de raiva. Olhos saltando pelas orbitas. Até salivou. Furioso. Como se eu tivesse dado um soco no meio da cara dele, sem motivo algum. Reação absurda. Desproporcional. Insultou-me violentamente. Minhas pernas foram ficando trêmulas. Ele não ouvia minhas desculpas. Surdo. Esbravejava me chamando de vadia, desastrada, infeliz. Gritava que eu nunca fazia nada direito, mesmo. “Esses  os melhores elogios que ouvi”. Suas ofensas foram num crescer assustador  enquanto eu pedia mil desculpas. Soltou adjetivos pejorativos que derrubam qualquer dignidade quando tentei lhe explicar o ocorrido. (Nem passou pela cabeça dele que acidentes acontecem). Rir comigo do acontecido seria esperar muito daquele doente. Imagina! Aproveitou que estávamos sozinhos na sala de jantar e despejou toda a raiva de uma vida. Confesso que fiquei com medo ao perceber sua loucura sem limites. (O pessoal estava no quintal onde tínhamos montado a festa). Aquele olhar de ódio e violência no instante da fúria, registrou em meu interno o fim definitivo da nossa relação. Deu um estalo em minha mente. Conclui comigo mesma que aquele olhar  de ódio não queria mais sobre  mim. Não. Eu não merecia! Calada e decidida voltei à festa. Estranhamente tranquila. Depois de alguns minutos, como se tudo estivesse maravilhoso, surge Jonas. Com uma gelada na mão. Dissimulado. Brincando e rindo. Reafirmei em meu coração o que já havia decidido instantes atrás. A falta de respeito a minha pessoa estava sendo enterrada naquele instante! Com essa convicção, depois que todos foram embora e Jonas já estava em sono profundo, decidida, fui dormir no quarto de hóspedes. Sensação estranha em meu corpo. Respiração ora leve, ora acelerada. Parecia que eu estava anestesiada. No entanto, dormi profundamente naquela noite. Acordei ainda esquisita. Sonhos de recomeço em minha cabeça. Triste, por ter me auto sabotado durante tanto tempo. Permitir que humores violentos daquele homem quase anulasse minha identidade. Jonas, por sua vez, ao acordar, fazendo-se de vítima, como sempre, tentou me seduzir e se desculpar. Beijos forçados. Frios. Frustrou-se! Afastei-o com firmeza. Senti até um certo nojo!  Ele percebeu. Ficou sem chão ao perceber minha indiferença e decisão. Nunca tinha me visto assim. Resoluta! Ali mesmo, na cozinha, sem titubear, pedi o divorcio. Surpreso e agressivo gritou que eu estava louca. Que precisava me tratar. Concordei com sua ofensa. Falei que então não se metesse com uma louca! Que não seria mais seu tapete. Nem de homem. Algum. Não deixei o desequilibrado falar. Eu berrava! Meu coração saia pela boca. Vociferei todo o sufoco contido há anos. Ele ouviu tudo num silêncio assustador. Entendeu que era o fim. Silencioso foi embora de casa naquela manhã de domingo ensolarada! Levou junto seu ego inflado e alguns pertences. Não deixei que levasse nossa gatinha, Lila. Saiu só. Ele e seu carrão vermelho! Foi embora de minha vida deixando rastros de mágoas. Muitas feridas para cuidar. Natural que eu chorasse algumas noites. Não sei se de raiva ou saudades dos falsos momentos bons. Não importa. Lavar feridas com lágrimas ajudam na assepsia da alma. Ando com dó de mim mesma. Isso não é bom! Muitas vezes me sinto como criança sozinha, fragilizada.” Quem me dera voltar no tempo”. Jonas jamais seria uma escolha. Resgatar minha menina interna com a consciência de agora, é tudo que preciso. “SAUDADES DE MIM”!  – Queixa de Ana Rita, quando buscou psicoterapia. (Depois de participar de um Workshop na integração entre corpo e mente. Chegou em meu consultório na busca  de um trabalho emocional na linha de Reich). “Concomitantemente Ana Rita está começando um movimento social, na ampliação da consciência, em defesa das mulheres que sofrem violências domesticas, tanto físicas quanto psicológicas”.

ALIMENTOS LILAZES! ( SAÚDE INTEGRADA).

Hábito tem um imenso poder sobre a qualidade da saúde em geral. Através dele podemos selecionar formas doentias ou saudáveis de levar a vida. Quando desenvolvidos, norteiam atitudes, tanto emocionais quanto comportamentais. Padrão mental se forma exatamente com a repetição constante de situações, de pensamentos e de sentimentos. Interferem direto em nossas vidas. As pessoas ao longo da existência vivem inúmeras experiências e nesse processo crescem e amadurecem. Desenvolvem uma visão específica sobre saúde, família, relações afetivas, finanças, entre muitas outras. Geralmente esse processo se inicia na infância e segue pela vida. “Os padrões mentais nos estimulam a crescer ou nos limitam”. Definem nossas escolhas e decisões, na maioria das vezes. (O modelo mental é desenvolvido de acordo com crenças e  influencia o comportamento). A partir dessa consciência podemos medir a importância desse tema diante da vida. Abrir um espaço e viajar em nosso interior. Investigar modelos internos. Construtivos ou autodestrutivos? Pode-se tentar verificar desde o tipo de alimento que ingerimos para nutrir o corpo até os tipos de sentimentos com que alimentamos a alma. Identificar e alterar padrões nocivos é complicado; eles se tornam automáticos em nossas atitudes, porém é o único jeito para tentar reabilitar o equilíbrio mente-corpo. (Ajuda psicoterapêutica funciona bem). Pensamentos involuntários interferem o tempo todo. Outro caminho excelente é exercitar yoga.  Concomitantemente, referências em cursos ou leituras sobre alimentação saudável podem indicar os caminhos rumo à reparação do que foi cristalizado em nossa mente e não está nos fazendo bem. Tanto física quanto emocionalmente. (Integração entre mente e corpo pode ser transformadora). Impulsionar a mente nessa direção é um trabalho voluntário e demanda intenção e foco. É como fazer uma boa faxina! O resultado final é sensação de leveza. Sentir-se bem naquela casa! Vale a pena experimentar comer colorido. Legumes, frutas, verduras fazem a festa nas células da maioria das pessoas. Assim também como desintoxicar a mente e o coração de pensamentos e sentimentos negativos que realimentam atitudes neuróticas. “Padrão neurótico é  uma mala sem alça”! O efeito colateral dessa assepsia é a circulação da energia saudável e um novo olhar para a vida. Durante um papo desse tipo com alguns alunos de psicologia  muito mobilizados com o tema (lá pelo fim da aula), num momento de descontração, alguém do fundão expressa:- VOU ME DIVORCIAR HOJE. ALIMENTO LILÁS JÁ. RISADA GERAL!