SINFONIA DA VIDA! (COBRAS DISFARCADAS).

Desiquilíbrio psíquico. Não deu pra conviver harmoniosamente com Fausto. Esse sujeito quase me enlouqueceu. A trouxa, aqui, sempre perdoou suas atitudes insanas. Na rotina da vida é impossível suportar Fausto! Não sabe o que é respeito por uma mulher. Escroto! Sempre criticando e destilando o seu veneno ácido e corrosivo. Faz isso como ninguém! Lentamente. Depois de uma noite de amor, ainda assim, é cruel. Na hora do sexo, se regala. Vira um carneirinho. Manso. Manso! Passando a euforia do orgasmo, se transforma. Metamorfose total. Vira uma cobra venenosa, finca seus dentes na vítima mais íntima. Claro que sou uma perfeita idiota. Tenho consciência de que eu me coloquei nesse papel. “Estou onde me coloco”. Porém, agora chega! Às vezes me sinto como uma mosca, presa numa enorme teia de aranha. Quanto mais tento me livrar, mas me sinto no emaranhado. Agora, basta. Já decidi. Ardilosamente buscarei sair dessa gangorra doente. ( Ardentes madrugadas seguidas por dias tóxicos). Andei  hipnotizada pelos verdes olhos da cobra, brilhantemente disfarçada. Mel e fel que sugava minha energia. Descabelada, como louca, eu sempre lambia o sangue que escorria das feridas, provocadas pela cobra de olhos verdes. Lambia o meu próprio sangue! Gosto agridoce. Cobra brilhante, deixa estar! Ainda vou te pegar de jeito. Sem piedade, nem pudor. Suas escamas ásperas, aversivas, não me tocarão mais. Irá morrer de seu próprio veneno. Já preparei a toca. DESTA VEZ VOCÊ NÃO ME ESCAPA. NÃO MESMO!