ISABEL E DOIS AMORES ( AMBIVALENCIA)

Num certo dia, em meu consultório, escutei a queixa de uma mulher intrigante. De uma beleza quase angelical! Seus olhos amendoados sorriam, enquanto seus lábios tentavam contar sua história! Falava de uma forma lúdica e criativa! Ria das situações que dizia ter vivido como se fosse a história de uma outra pessoa. Seu corpo expressava muita rigidez. Suas palavras, atrás de um sorriso, traziam dores, de relações mal resolvidas. Estava nitidamente confusa e muito segura dessa confusão. Dessa ambivalência em que se meteu – seus dois amores. Sorrindo e alterada, me perguntava como lidar com tantas sensações e culpas. Falava sem parar, nem pausava a respiração. Quando finalmente conseguiu se aliviar dessa ansiedade,  pude perceber a tristeza oculta, atrás daquele olhar. Isabel, quando se sentiu  acolhida, simplesmente se “desmanchou”! Chorou toda a  água que estava afogando sua alma! Se entregou e me entregou o coração! Assim como uma criança frágil, insegura, buscou colo. Naquele momento, começou o processo de se conhecer melhor: rever escolhas e buscar preencher o vazio que escondia em seu olhar!

PRA COMEÇO DE CONVERSA (CAPACIDADE DE EXPRESSÃO)!

 

 

Resolvi desatar amarras internas! Vou soltar toda a mágoa que está contida em meu peito! Buscar me expressar mais e jogar pra fora tudo que contamina a minha alma! Cansei de ser infeliz! Confesso que não está sendo fácil. De repente, tive que me deparar com sentimentos bloqueados pela dor! ! Memórias aflitas, inquietas, minando toda possibilidade de ser feliz! Ah, a vida!!! Como somos manipulados pelas sensações! Muitas vezes percorremos caminhos que o bom senso impediria, mas a imaturidade emocional, tá lá, firme e forte!!! Na maioria das situações não conseguimos conciliar emoção com a razão! Quantas vezes me comportei assim! Construí mentiras pra não mudar em nada! Agora resolvi dar um basta! Chega de me enganar! Vou abrir boca e coração. Sinto que esse é o melhor remédio para meus males. Estive tão infeliz esse tempo todo, chegando a achar que “Sofrer”, era normal! Numa noite dessas, tive um sonho que despertou em mim esse desejo tão forte, de me sentir feliz e integrada! Nesse sonho, eu estava  imensamente feliz! Como se todas as angústias tivessem sumido do meu peito. Acordei com a sensação que talvez seria possível libertar-me. Quero me sentir plena!  Quero estar daquela forma! Agora, aqui estou eu, corajosa e curiosa, na busca de uma nova vida! Sei que precisarei muitas vezes, gritar, chorar, blasfemar…Vou reavaliar o que construí e o que perdi. Quero me reinventar!

Rumos necessários (CONFUSÃO EMOCIONAL)!

Caminhos! Como são difíceis algumas decisões! Os apelos antigos, já não tão fortes, se misturam aos atuais! Os valores se confrontam, perturbando a ordem mental! De repente tudo parece tão claro e resolvido! Basta uma lembrança qualquer e o conflito se instala novamente! Como fazer pra me livrar de uma longa relação que deixou de fazer sentido? Onde vão ser colocados os bons momentos vividos? E a culpa, como ficará? Será que a saudade vai doer? Bem, concluo que é importante tentar! Correr o risco! Nossa! Isso me dá tanta angústia! Não houve nada de grave! Não houve motivo aparente! Acabou! Simplesmente! Hoje sinto tanta falta daquela energia! Daquele contato quente onde o seu simples olhar, me transportava ao paraíso! Muitas vezes fico na dúvida se esse medo está me protegendo ou impedindo de buscar a felicidade! Como é difícil!! Será que o amor só adormeceu? Rumos são necessários!

SAINDO DE MIM (LIBERTAÇÃO)!

Sentada numa estação de trem, olhava fixamente para os trilhos. Não pensava em mais nada, a não ser me livrar daquele pensamento obsessivo! Meu Deus, como era louca aquela sensação! Meu coração explodindo por aquele amor acabado! Era tão intenso que comecei a sussurrar baixinho, como se fosse uma prece!Parecia uma forma insana, de tentar libertar as entranhas de dores agudas, repetidas!… Fiquei assim por um longo tempo, nem sei bem, o quanto! De-repente, o trem que estava parado na estação, naquele trilho frio, rígido, finalmente  deu sinal de vida! Apitou com um som rouco e forte. Estremeci! Aquele apito despertou em mim, uma fagulha de realidade! De algum jeito, àquela sensação devastadora que eu sentia, foi se transformando! Meus olhos fixos nos trilhos, se desviaram para o trem…Os movimentos se intensificaram! Olhava o trem! Voltava a olhar para os trilhos! Isso se repetindo, como numa dança louca!  O trem começou a andar, lentamente, e num crescer, com movimentos seguros, foi tomando seu caminho. Fiquei por alguns segundos nessa ambivalência, até que fixei apenas o trem, que foi sumindo, sumindo…De-repente, num insight, senti também que poderia buscar dentro de mim, movimentos que me levassem à um outro lugar emocional! À uma outra estação! ASSIM VOCÊ FOI SAINDO DE MIM!!!

O INGÊNUO E SEUS PROBLEMAS (IMATURIDADE EMOCIONAL)!

A ingenuidade da criança tem um doce sabor! Com o passar do tempo vão se abrindo espaços para o desenvolvimento da curiosidade humana! Busca eterna de sentir e entender melhor a vida! Cada etapa é natural e deliciosa! Essa evolução faz parte da saúde mental! As novas descobertas permitem experiências com satisfações e frustrações, tão importantes para o amadurecimento! Cada família deixa seu saldo emocional naquele indivíduo que vai se somar às outras experiências vividas! Muitas vezes ficam lacunas intensas, decorrentes de  ausência de um bom contato afetivo na infância!  Muita repressão, ou ainda, excessiva falta de limites! Isso tudo pode impedir um saudável desenvolvimento psíquico, podendo trazer insegurança e baixa auto – estima! Tiago faz parte do grupo de pessoas que não conseguiu crescer emocionalmente! Parece uma criança no corpo de um homem! Tem muita dificuldade em reconhecer e integrar emocionalmente ao racional, situações de vida, como um adulto saudável o faria. o faria. Aparentemente é um homem bonito, alto, trinta e cinco anos de idade, mas, com atitudes excessivamente imaturas e inseguras! Esse padrão de comportamento tem lhe trazido muito sofrimentos e regressões consideráveis no campo social. Quando tenta interagir com pessoas, normalmente, se sente rejeitado. Não se sente aceito ou incluído no meio adulto. As pessoas reagem de uma forma vazia e desvalorizam a maior parte de suas intervenções verbais ou comportamentais! Não consegue também se colocar profissionalmente, embora, tenha completado os estudos na área de humanas! Essa situação fortalece ainda mais a sua insegurança e fragilidade emocional! Por não suportar mais viver nesse sofrimento, resolveu buscar auxílio terapêutico. Estão sendo vistos esses traços tão presentes, que representam profundos bloqueios! Já está  aceitando e acolhendo sua criança interna! Essa criança precisa crescer na medida do possível e experimentar novas formas de encarar e lidar com a realidade. Libertar o homem aprisionado que ficou dentro do seu caráter! Um saudável desenvolvimento psíquico se faz necessário. Cuidar de sua insegurança e baixa auto – estima! Tiago faz parte do grupo de pessoas que não conseguiu crescer emocionalmente. Parece uma criança no corpo de um homem! Tem muita dificuldade em reconhecer situações de vida, como um adulto o faria. Aparentemente é um homem bonito, alto,  trinta e cinco anos de idade, mas com atitudes muito imaturas e inseguras. Esse padrão de comportamento tem lhe trazido muito sofrimentos e regressões consideráveis no campo social. Quando tenta interagir com pessoas normalmente se sente rejeitado. Não se sente aceito ou incluído no meio adulto. Pessoas reagem de uma forma vazia e desvalorizam a maior parte de suas intervenções, verbais ou comportamentais! Não consegue também se colocar de forma assertiva profissionalmente, embora, tenha completado os estudos na área de humanas com boas notas! Essa situação fortalece ainda mais a sua insegurança e fragilidade emocional. Por não suportar mais viver nesse sofrimento, resolveu buscar auxílio terapêutico. Estão sendo vistos esses traços tão presentes, que representam profundos bloqueios! Já está  aceitando e acolhendo sua criança interna! Essa criança precisa crescer na medida do possível e experimentar novas formas de encarar e lidar com a realidade. Libertar o homem aprisionado que ficou dentro do seu caráter!

MEU ANIVERSÁRIO! (FRUSTRAÇÃO).

Essa data foi um problema em minha vida! Tentei arrancar de dentro do peito durante muitos tempo! Na verdade, desde quando completei oito anos! Naquele aniversário me sentia muito ansiosa e carente. Queria muito apagar “velinhas”! Essa vontade era silenciosa, nunca expressei! Sabia que não ia ser ouvida! O desejo amordaçado estava lá, quieto e forte! Na verdade era um sonho ! Uma criança não entende certas coisas, só pode sentir!  Naquele aniversário, não sabia porque, acordei numa expectativa imensa! Esperava uma surpresa! Por coincidência aconteceu de uma tia “rica”, chegar de-repente, dizendo que queria me fazer um bolo bem bonito! Fiquei super feliz! Ela  me deu como presente, uma pequena quantia em dinheiro! Quando resolveu começar a fazer o bolo pediu pra eu ir comprar os ingredientes na vendinha da esquina. Como eu sabia que minha mãe não tinha dinheiro algum, fui quieta e usei o meu! Gastei quase tudo mas, valia a pena. Finalmente ia ganhar o ” sonhado bolo”! Estava feliz! Fui brincar no quintal enquanto ela preparava tudo. Depois de algum tempo que eu brincava com os meus amiguinhos imaginários, ouvi ela me chamar! Laura, ficou pronto, vem olhar seu bolo!! Ansiosa fui correndo! Quando cheguei lá,  não acreditava no que via! Fiquei muito frustrada! Aquele não era o bolo que eu tinha sonhado! Eu queria um bem grande! Cheio de creme com muito coco! Muitos enfeites! Na minha cabeça tudo era tão simples! Não precisava de mais nada! Minha tia não tinha entendido nada! Sabe o que ela colocou, pra enfeitar? Uma velha rosa vermelha de plástico que tirou do vaso de minha mãe!. Aquilo me marcou demais! Fiquei tão triste!A sensação que tive  é que estavam gozando de mim! Hoje vejo  que me senti humilhada. Os anos se passaram! Me casei, tenho dois filhos  e marido. Eles conseguiram mudar  isso em mim! Resisti muito! Era mais forte que eu! No meu último aniversário me fizeram uma surpresa. Algo que eu não esperava mesmo! Buscaram uma antiga mestra e amiga, que eu não via há anos e me fizeram uma surpresa! Uma nova experiência em minha data! Queriam me fazer feliz! Acho que alguma mudança aconteceu. Consegui sentir algo novo! Parece que meu coração aqueceu e derreteu a rosa de plástico! Já tenho planos para comemorar o próximo! Acho que vai ser um “FESTÃO”!

RISCO DE PERDER ( PERDAS E DORES)!

Tudo na vida tem um fim! Aprendemos isso em tenra idade, começando pelas coisas mais elementares! Aprendi, também que cada perda tem um ganho! Muitas vezes é difícil perceber esse outro lado. Perdemos, mas ganhamos! Isso assusta! Nesses últimos tempos, tenho vivenciado muito essa situação. Rupturas, perdas e ganhos ! Rompi com  alguns valores e situações antigas. Essa transição me fez perceber quanto a vida pode ser construída de uma forma nova, a partir de mudanças em padrões internos. O novo se estabelece! Basta ter esse olhar e se apropriar. As pequenas mortes, que fazem parte do cotidiano, são sentidas como comuns. E as grandes mortes? A morte de um grande amor? E a morte da própria mãe, como a que vivi? Acho que essas são assustadoras demais, comprometem o nosso sistema energético, desestabiliza o organismo. O chão foge das pernas! É necessário focar na vida.  Mas como? Dói tanto! A vida parece não estar presente. A sua matriz não vive mais aqui! Há um terror estático nesse momento. Tento correr pra ideia inicial, que toda perda tem seu ganho! Acho que preciso mergulhar nessa dor e buscar entender o que tem de bom nisso. Me ocorre numa primeira sensação, que a morte é uma libertação! E a saudade? O que faço com avalanches de sentimentos? É muito difícil! Penso que devo exercitar o desapego. Não posso ser egoísta! “Amar é aceitar a liberdade do outro”! O pensamento que acalma meu coração é sentir que ela superou limitações  e que finalmente pode voar! Morrer pode ser uma evolução, um crescimento! Sentir que ela pode estar mais feliz me liberta também.Voe alto, minha mãe! Quem sabe agora dê tempo da gente falar mais de Amor!

A HISTÓRIA DE ROBERTO ( COMO LIDAR COM O PAI TIRANO)!

Cada paciente que chega me traz um grande aprendizado! Penso que essa troca faz parte da construção que nos permitimos nesse mundo. Quero focar aqui a importância de nossos afetos, de como recebemos e expressamos esses afetos. Muitas vezes temos dificuldades na capacidade de expressão! Desenvolvemos bloqueios na formação do caráter. Essas defesas impedem a manifestação dos conteúdos, em maior ou menor grau. O caso que descreverei é um bom exemplo! Há algum tempo, recebi um telefonema de um homem, que chamarei de Roberto. Dizia estar desesperado, precisava ser ouvido! Estava muito mal e sozinho! Tinha sido encaminhado por uma paciente. Marcamos a entrevista. Quando o recebi, estava visivelmente alterado, nervoso, tentando ser simpático! No decorrer da conversa, foi se acalmando e tentando verbalizar o conflito em que se sentia. Fui entendendo seus dramas e aflições! Em seu relato, falou da relação vivida com seu pai , um homem austero, rígido, que não respeitava a identidade do filho. Isso foi uma constante durante toda sua vida! Não se sentia admirado e nem amado por esse pai! Tinha tido um relacionamento insustentável. O pai repetidamente o desqualificava. Exigia que respondesse às suas expectativas e, como isso não acontecia, não perdia a chance de o humilhar. Roberto se sentia impotente! Toda essa situação foi desestabilizando seu emocional. Desesperado, não teve outra saída senão romper a relacão. Foi a única forma que encontrou! ¨Pronto, a ferida ficou aberta”! Longe desse pai , ao contrário do que pensava, Roberto ficou ainda mais fragilizado! Esse pai se tornou um tirano dentro de seu peito. Sentia-se anulado, sem identidade! Esse círculo vicioso ficou enlouquecedor! Não conseguia trabalhar, nem namorar; afinal ele se sentia “um nada”! Durante o processo terapêutico, precisou se enxergar pelo avesso. Perceber carências, frustrações e o modelo de figura paterna que tinha sido construído em seu mundo interno. Começou a encarar de frente! Na medida em que se sentia fortalecido foi desconstruindo esse pai internalizado. Pôde até encontrar alguns aspectos de amor no padrão interno e reconhecer que poderiam fazer parte da nova construção. Uma nova imagem de pai surgia  e concomitantemente um novo Roberto! Parece que o perdão pediu licença! Finalmente havia uma semente boa a ser geminada! Depois de algum tempo, já fortalecido, partiu em busca do pai real! Foi acolhido com certa timidez! Nesse novo contato, soube que também seu pai havia sido vítima do seu avô. Seu pai repetia o modelo de forma inconsciente! O perdão trouxe transformações maravilhosas! As situações mal resolvidas foram renegociadas no silêncio do coração. UMA NOVA IDENTIDADE COMEÇOU A NASCER!

O TEMPO ( PERCEPÇÃO)!

Sentada na praça nesta tarde fria  de primavera, provocando um certo arrepio, sinto a magia da vida! Quanta beleza! O vento sopra com suavidade, as folhas das árvores dançam como num grande baile, com harmonia e ritmo! Os sons de carros, vozes, caminhar das pessoas, se misturam nesse cenário, transmitindo, os movimentos desta tarde! Estou cansada e feliz! Percebo como uma noite mal dormida, te tira do eixo! Percebo também, como o tempo nos mostra força e flexibilidade. Ninguém o derruba ! Nada consegue impedir que ele transcorra! Sem limite! Nem mesmo a morte! Esse encontro, do tempo com a morte me faz pensar, como a beleza é efêmera e eterna!

COMEÇAR DE NOVO ((RENASCIMENTO EMOCIONAL)!

Parece ter sido ontem! Andava  distraída pelas ruas arborizadas de Pinheiros! Os aromas das flores invadindo todos os meus sentidos! De repente, eu te encontrei! Você chegou meio perdido! Eu estava me sentindo assim também! Nossos olhares se cruzaram! Percebi um verde intenso! Uma expressão quase chorosa, triste! Foi tão forte, tão forte!  Seu olhar tem algemas! Rolou na minha cabeça um filme antigo, perdido no passado,” Medo de Sofrer”! Quis fugir, não teve jeito. Você me conquistou! Resolvi enfrentar. Conversei com meu coração! Implorei que ele não me deixasse ir embora novamente. Fiz sérias ameaças de abandono, afinal, eu poderia trancá-lo para sempre! Hoje, passado seis anos, com trinta e quatro anos de idade, afirmo feliz que valeu a pena. Não foi fácil no começo! A entrega foi acontecendo lentamente! Não houve pressa! Deixei o coração ir dando o ritmo! Senti que foi acontecendo na medida exata em que percebi como a confiança e  as sensações do primeiro encontro, não perderam o colorido. “SOU FELIZ”!